Terceirização pode ser problema sem uma boa Gestão de Terceiros

Gestão de Terceiros

A terceirização de parte do quadro de funcionários tem como objetivo contratar profissionais especialistas em determinada área de atuação a partir da expertise das terceirizadas. Desde a mudança nas leis trabalhistas, é cada vez mais comum ter esse tipo de funcionário atuando em diversas áreas de seu empreendimento. Entretanto, o resultado da terceirização pode ser justamente o oposto ao se negligenciar os cuidados com a Segurança do Trabalho no ambiente da sua empresa. Hoje você vai aprender um pouco sobre como fazer a Gestão de Terceiros!

O primeiro e fundamental passo ao se contatar uma empresa, é avaliar o histórico de quem vai terceirizar os funcionários ao seu empreendimento. Esse processo deve ser conduzido tendo como base ferramentas de diagnóstico e auditorias, resultando em homologação consistente que valide em que nível está o atendimento legal da empresa em relação à gestão de Saúde, Segurança, Meio Ambiente e Qualidade.

É importante fazer um levantamento de parcerias antigas a partir de evidências legais e documentais, tais como:

  • Multas e relatórios de fiscalização de órgãos trabalhistas como o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE);
  • Ocorrências em SSMAQ e possíveis responsabilidades civis e criminais sobre acidentes de trabalho e
  • Aspectos relacionados ao preparo técnico – como fornecimento de EPI, ministração de treinamentos e cursos, e as respectivas atualizações periódicas;
  • Documentação legal necessária com foco nas Normas Regulamentadoras;
  • Obrigações previdenciárias e
  • Padrões de segurança executados pela empresa em suas rotinas no campo.

Para se ter visão geral desses aspectos e evitar os riscos oferecidos pela falta de perícia, é fundamental que se tenha em mãos documentos que indiquem quais procedimentos a empresa adota para evitar acidentes e mitigar riscos e perigos. Alguns documentos são fundamentais para se atestar a qualidade do acompanhamento da terceirizada em relação aos aspectos de segurança.

É imprescindível a conferência do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), Programa Médico de Saúde Ocupacional (PMSO), Atestados de Saúde Ocupacional (ASO’s), lista de presença em treinamentos segmentada por funcionário e atividade (trabalho em altura, espaço confinado, empilhadeiras, ambientes ruidosos, etc), lista de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) oferecidos, cópias das carteiras de trabalho dos funcionários e demais exigências previstas em contrato a partir de padrões e riscos do contratante.

Mesmo com esses documentos e cruzamento dos dados com as exigências legais, é preciso fazer uma última checagem antes de permitir a atuação do pessoal terceirizado no seu empreendimento. Assim, é fundamental que algum responsável do seu negócio especializado em Segurança do Trabalho faça vistoria de cada um dos terceirizados, conferindo quais EPI’s foram fornecidos, quais treinamentos cada um deles passou e quando ocorreu a última reciclagem acerca dos procedimentos de segurança para a atividade a ser executada.

Como o funcionário vai atuar em um novo ambiente, também é imprescindível que ele seja apresentado aos novos riscos presentes em seu local de trabalho. A apresentação da sinalização, horário de funcionamento de linhas de produção, locais com restrições de trânsito ou comportamento, dentro outros.

Por fim, é preciso manter um Acordo de Níveis de Serviço (ANS) sempre atualizados com as obrigações de contratante e contratado. O documento deve apresentar medidas que assegurem as entregas previstas na negociação e as exigências legais ou requisitos específicos para o serviço contrato.

É fundamental ressaltar: mesmo que sejam funcionários terceirizados, a responsabilidade legal por acidentes será compartilhada. Alinhar-se às questões legais e acompanhar cada um dos funcionários terceirizados, entretanto, não é um processo fácil. Afinal, já há um quadro inteiro de funcionários com suas particularidades a serem atendidas.

Fazer a gestão disso tudo é um processo mais complicado sem o auxílio de ferramentas de homologação. É preciso se criar rotinas de acompanhamento e atualização constantes que, somadas às auditorias periódicas, têm como objetivo garantir uma boa aderência da empresa às questões legais. Nesse momento, é importante ter conhecimento específico para implementar uma gestão eficiente!

Para evitar problemas com pessoal terceirizado, é fundamental que haja uma boa Gestão de Terceirizados e um Sistema de Gestão Integrada (SGI) é o caminho prático, integrado e digital para você alcançar o seu objetivo. Conheça o módulo de Gestão de Terceiros do SICLOPE (Sistema Integrado de Controle de Operações) e agende uma apresentação com os profissionais da ERPLAN! Somos especialistas em Saúde, Segurança, Meio Ambiente e Qualidade e vamos te ajudar a levar eficiência ao seu negócio. Saiba mais sobre nosso módulo de Terceiros aqui: http://www.erplan.com.br/siclope/.