Você conhece o termo IIoT (com dois I’s)? Saiba mais sobre Internet das Coisas na Indústria.

Foto: Science in HD on Unsplash
IIoT - Internet das Coisas na Indústria

Sabe quando você coloca uma pulseira inteligente para registrar sua corrida, calcular a distância percorrida, seus batimentos, seu rendimento, a qualidade do seu sono e enviar todos os dados coletados para o seu celular para ter um relatório de desempenho e dicas específicas para suas necessidades? Esse é um exemplo da Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) na sua vida. É um sistema de conexão de dispositivos que se comunicam entre si, associado à análise e processamento de dados, mas em um ambiente, digamos assim, mais doméstico.

Agora vamos olhar em um âmbito maior, aumentando o volume de dados transmitidos. A Internet das Coisas na Indústria (IIoT – Industrial Internet of Things) é um braço da IoT e pode conectar várias etapas da produção. Segundo dados do BNDES, o Brasil terá movimentando U$45 bilhões até 2025, adotando esse tipo de tecnologia. Estariamos vivenciando o prelúdio da 4ª Revolução Industrial, a Indústria 4.0.

A 1ª Revolução Industrial foi a mecânica, em 1780, com a produção em massa. A 2ª foi em 1870, com a revolução elétrica, criando as linhas de montagem. Em seguida tivemos a automação em 1969, com a tecnologia da informação trazendo o desenvolvimento econômico. A 4ª Revolução será um conjunto de tecnologias (física, digital e biológica) para executar de forma coordenada uma ação. Uma dessas tecnologias é a IIoT.

Mas qual é o impacto que essas novas tecnologias podem ter na indústria?

  • Produtividade – Maior setor com implementação de IIoT. Máquinas com monitoramento autônomo podem prever problemas em potencial. Aumento na eficiência nos processos, com redução de custo estimada de R$65 bilhões por ano, segundo dados da ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.
  • Logística – É um dos gargalos da indústria. Com um inventário controlado por sensores com tecnologia IIoT é possível gerenciar as encomendas de suprimentos antes dos estoques acabarem, diminuindo o desperdício, ao mesmo tempo que mantém os bens necessários em estoque. Além disso, há a possibilidade de um acompanhamento em tempo real da entrega da matéria-prima, análise de estoque e compra, necessidade de embalagem e frota para entrega, bem como atrasos e extravios.
  • Customização da produção – A comunicação entre máquinas (M2M – Machine-to-Machine) gera a possibilidadedos produtos atenderem as especificidades de cada cliente.
  • Gerenciamento de instalações – A tecnologia de IIoT possibilita o controle de clima acionado por sensores, monitoram os pontos de entrada das instalações e respondem rapidamente a ameaças em potencial.
  • Segurança da Informação – com a digitalização de toda operação há uma oportunidade para identificar qualquer tipo de acesso, isso porque os servidores em nuvem carregam uma série de dispositivos de segurança da informação.
  • Meio ambiente – com a redução de falhas e o aumento da eficiência, há diminuição dos resíduos sólidos industriais. Fábricas inteligentes economizam energia, estimada pela ABDI em R$7 bilhões. Programação da produção e precisão na análise diminuem o uso de matéria-prima, bem como estoque, transporte e desperdício, fazem reciclagem de resíduos, entre outras medidas.
  • Segurança do Trabalho – Diversos procedimentos que hoje colocam em risco a segurança do trabalhador poderão ser realizados com monitoramento digital contínuo, por meio de sensores, drones e outros dispositivos auto-guiados.

A Embraco, fabricante de compressores para aparelhos de refrigeração, foi premiada pelo desenvolvimento 100% brasileiro do Data Information Insight Learning Intelligence (diili), que é uma plataforma de análise avançada de dados, com sensores conectados aos produtos, que avalia o gasto de energia e temperatura, condições técnicas,  performance de vendas e interações com o produto, oferecendo às marcas de bebidas e alimentos uma forma efetiva de gerenciar a performance de freezers e geladeiras comerciais nos pontos de venda.

Outra aplicação prática da Internet das Coisas na Indústria é a criação do chamado “gêmeo digital”, que é um modelo computadorizado idêntico ao real, seja uma máquina, um objeto, ou mesmo um órgão humano, para estudarem seu comportamento e solucionar problemas antes que ocorram. Segue abaixo um video da Siemens que explica o conceito de uma forma muito visual. Vale assistir!

Os setores pioneiros na utilização da Internet das Coisas na Indústria são os de bens de capital (máquinas e equipamentos), agroindústria e automotivo. Diversos segmentos da indústria brasileira precisam de estratégias de digitalização para se tornar competitivos.

As indústrias estão se unindo as startups para encontrarem soluções para esse novo momento da economia global e, para o Brasil, a inovação é uma prioridade nacional e um instrumento estratégico. No Índice Global de Inovação de 2019, que avalia produtividade, investimento em pesquisa e desenvolvimento, exportação de produtos de alta tecnologia, entre outros indicadores, o Brasil ocupa a 66ª posição.

Se o Brasil não sofisticar sua indústria, o recuo da sua participação no PIB continuará diminuindo. No ano passado, o setor industrial representou 11,3% do PIB, o nível mais baixo de todos os tempos. No Ranking Global de Competitividade, elaborado pelo Fórum Econômico Mundial, o Brasil amarga a 71ª posição e uma das causas do seu declínio são os indicadores frustrados nos avanços sociais e ambientais.

A produtividade nacional, que caiu mais de 7% de 2006 a 2016 no Brasil, segundo dados do IBGE e do CNI (Confederação Nacional da Indústria), depende de uma mudança na estrutura das cadeias produtivas, em criar uma nova relação no mercado de trabalho e em criar fábricas do futuro com novas tecnologias. Para começar, as empresas precisam entender esse conceito e fazer uma auto avaliação de onde estão e para onde querem ir. Buscar parceiros de negócio e tecnológicos, bem como investir em soluções que aumentem a produtividade, a eficiência e a competitividade.

Texto inicialmente publicado no LinkedIn: https://www.linkedin.com/pulse/você-conhece-o-termo-iiot-com-dois-saiba-mais-sobre-das-do-val-benes/